9ª Mostra

Em 2015 a Mostra Curta Audiovisual teve uma edição mais que especial. Depois de 8 anos de um trabalho independente, persistente e resistente para realizar o evento na cidade, o reconhecimento veio através dos apoios do Fundo de Investimentos Culturais de Campinas e do Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo. Essa grande vitória para a Mostra também foi um grande passo na sua forma de organização, que vinha sendo realizada em um modelo mais compacto devido a falta de patrocínios. Assim, começamos 2015 mirabolando propostas de ampliação da grade e também visando sair do tradicional eixo Centro-Barão Geraldo, chegando em bairros mais periféricos da cidade.

A Mostra, que já se tornou uma referência regional para os produtores, acolhendo e recebendo filmes de todos os gêneros de todo o país, chegou em sua nona edição ampliando os horizontes, incluindo na sua programação filmes latino-americanos na sessão especial Mercosul, que trouxe uma amostra de diferentes formas de produção.

Seguindo a tradição dos anos anteriores, a Mostra teve as sessões batizadas com os nomes de antigos cinemas de rua de Campinas e as sessões especiais, que são a Mostrinha (infantil), a Curta o longa com o filme “Café – um dedo de prosa” produzido em Campinas, e, a Sessão Inclusiva, com recursos de acessibilidade realizada numa parceria com a Secretaria Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida.

Para a abertura do evento, a Sessão Alvorada trouxe alguns destaques dos curtas inscritos além de uma homenagem ao cineasta campineiro Sr. Henrique de Oliveira Jr. no Teatro Castro Mendes. A solenidade deu largada a uma programação que durou dez dias na cidade.

Foram mais de 15 horas de projeção em diversos pontos culturais da cidade. Em 2015, o recorde de inscrições de obras locais se refletiu no aumento da grade de sessões específicas regionais: foram 3 especiais Curta Campinas, em que os produtores tiveram a oportunidade de entrar em contato com o público e conversar num formato cineclubista sobre as suas obras. Vale ressaltar que os filmes da região também compõem a grade de sessões com nomes de antigos cinemas de rua.

A programação contemplou ainda atividades de formação por meio de oficinas, masterclasses e palestra. Foram oferecidas cinco oficinas: Animação com Sombra Chinesa, Trilha Sonora Experimental ao vivo, Vídeos de Bolso, Produção de Filmes de Ficção e Animação Stop Motion.

A qualificação profissional é um dos pilares da Mostra, por isso convidamos a Academia Internacional de Cinema, uma das mais conceituadas escolas de cinema do país para ministrar as Masterclasses de Direção de Arte e de Produção Executiva.

Para completar a programação de atividades de formação, numa parceria com o Sesc Campinas participamos de um bate-papo sobre a produção audiovisual no Brasil contemporâneo, passando pelas mudanças tecnológicas sofridas e o impacto da Internet, traçando assim perspectivas de futuro para a criação e a produção.

A Mostra é um dos canais que efetiva o contato do público local com a cinematografia nacional, estimulando a produção na região e promovendo o encontro entre diferentes linguagens. No intuito de ampliar ainda mais tal encontro criamos uma programação de intercâmbios em que atividades com outras linguagens artísticas fizeram parte da programação buscando incrementar as experiências e vivências do entretenimento ao ar livre.

Assim, convidamos o Núcleo Feverestival – Festival Internacional de Teatro de Campinas – para fazer a curadoria do Curta a Cena – espetáculos curtos que abriram três sessões nas praças públicas. Também unimos forças com a Canja Instrumental Jazz, projeto musical que acontece nos espaços públicos da cidade com o objetivo de popularizar a música instrumental.

Pra encerrar a programação da nona edição, no dia 31 de outubro convidamos os produtores de audiovisual da região para trocar experiências buscando o fortalecimento da produção de Campinas a partir da aproximação de seus agentes. Potencializando o encontro e ampliando as discussões, incluímos a Masterclass de produção executiva oferecida pela Academia Internacional de Cinema na mesma programação.

E pra fechar o último dia, a tradicional Sessão JuriPop contou com a exibição dos curtas mais votados pelo público na Galeria Sede. Também foram exibidos os resultados das oficinas práticas, fotos do evento, projeções livres e algumas surpresas em uma confraternização geral.

Esta extensa programação foi planejada com muito cuidado por muitas mãos dedicadas e contou com a ajuda de parceiros incríveis. A grade esteve repleta de bons momentos e – não custa lembrar – toda a programação é gratuita!